Você é o visitante número:

sexta-feira, 11 de junho de 2010

ALOPECIA ANDROGENÉTICA FEMIINA (AAF)



A Alopecia androgenética Feminina (AAF) pode surgir em qualquer época da vida, uma vez que é uma condição genética comum causada por um gene único, autossômico dominante com penetrância reduzida no sexo feminino. Pode ainda ser agravada por fatores de ordem hormonal.
Cacacteriza-se por perda e afinamento progressivo dos cabelos, que se inicia no vértex, podendo chegar ao quadro de calvície, preservando normalmente a linha frontal.
O indivíduo com fator genético para calvície apresenta no folículo piloso a enzima 5 alfa-redutase tipo II que transforma a testosterona em diidrotestosterona (DHT) e este, através de receptores específicos androgênicos situados na membrana nuclear, penetra no interior do núcleo e altera o ácido desoxirribonucleico (DNA). O ácido ribonucleico (RNA) mensageiro modifica a síntese de proteínas nas células da matriz, levando às alterações no metabolismo do folículo piloso, podendo levar a alopécia androgenética feminina.
O fator hormonal se manifesta nos locais em que a unidade pilossebácea androgenética-dependente (folículo piloso e glândula sebácea) possui receptores específicos e áreas definidas do couro cabeludo.
Ocorre a miniaturização gradual e progressiva dos folículos pilosos, transformando o pêlo terminal em velo. Isto significa que os folículos diminuem de tamanho, afinam, ficam mais superciciais e com menos pigmento na haste.

A Tricoterapia dispõe de recursos específicos que podem auxiliar no controle da alopecia: tricoterápicos, eletroterapia, massagens e aromaterapia.

14 comentários:

  1. ainda bem que existe tratamento.

    ResponderExcluir
  2. O padrão de calvície feminino é resultado da diminuição do estrogênio (hormônio feminino) que geralmente inibe o efeito da queda de cabelo provocado pela testosterona.

    A calvície da mulher pode ser explicada por uma "alta sensibilidade" dos receptores hormonais localizados no cabelo aos hormônios masculinos.

    A alopecia androgenética é uma doença progressiva que, se não for tratada, tende a piorar com o tempo. A velocidade de progressão depende de fatores únicos em cada pessoa, tais como histórico familiar e presença ou ausência de distúrbios hormonais.

    Os cabelos das mulheres que apresentam a alopecia começam a se afinar, em geral na parte anterior e superior da cabeça. No começo, é visível apenas na "risca" do cabelo e nota-se um cabelo fino, frágil, quebradiço, com pouco volume e com crescimento lento. Depois, uma rarefação mais difusa do cabelo começa a ser percebida. Por fim, certa "transparência" do cabelo é notada, permitindo observar-se o contorno da cabeça através do cabelo.

    Daniela

    ResponderExcluir
  3. Esse tipo de patologia é daquelas que abala demais o emocional feminino.

    ResponderExcluir
  4. Cara lídia,
    Estudado.
    Grato, Marcos Luna

    ResponderExcluir
  5. Lido o texto, preocupante.

    ResponderExcluir
  6. estou gostando muito deste blog,até nos comentários aprendemos.Parabéns a todos.

    ResponderExcluir
  7. É um caso delicado, mexe muito com o psicológico da pessoa.
    Adriana Santos

    ResponderExcluir
  8. E muito serio um caso como esse,eu conheço uma pessoa com esse problema,é triste,mais nada que o tricoterapeuta não possa resolver.Osvanira.

    ResponderExcluir
  9. Lido o texto e estudando.
    Neide.

    ResponderExcluir
  10. é uma patologia que meche muito com o emocional, por isso é bom ser paciente e conhecer o assunto

    ResponderExcluir
  11. A Alopécia e algo que temos que ter um grande conhecimento, para direcionamos um tratamento a triclocliente, estudando profundamente.
    Atenciosamente : Faby Lima
    Imperatriz MA

    ResponderExcluir
  12. ASSUNTO MUITO INTERESSANTE, ESTOU ESTUDANDO MUITO.
    JOSY

    ResponderExcluir
  13. Este assunto mexer com autoestima mais tem cura.

    ResponderExcluir
  14. Porque continuam enganando as pessoas. Já passei por 4 dermatologistas e 1 tricologista em Portugal e nada de melhorar. Levam o dinheiro. Deveriam dizer logo à partida que não tem cura, comprem uma peruca, porque o transplante também não resulta para quem tem queda difusa. Parem de enganar as pessoas.

    ResponderExcluir