Você é o visitante número:

domingo, 3 de julho de 2011

PSORÍASE NO COURO CABELUDO EM ALTO GRAU

De repente, após o nascimento do bebê, a cliente percebeu que seus cabelos estavam caindo em grandes proporções. Ficou preocupada e procurou ajuda médica. Inicialmente foi diagnosticado como um eflúvio telógeno, que é comum após 3 a 4 meses após o parto. Mesmo com a medicação que lhe foi prescrita e com os xampus e tônicos recomendados para uso local, o problema continuava e quando já se aproximava a data comemorativa do primeiro anino do seu bebê a cliente voltou ao dermatologista e desta vez foi diagnosticado um caso grave de psoríase.
Por último, buscou ajuda tricoterápica. Iniciamos as sessões, percebemos que o problema capilar estava melhorando, porém sua saúde emocional, muito abalada, a levou ao estado de profunda depressão, ao ponto de abandonar o tratamento. Apesar de também ter sido submetida ao acompanhamento psicológico, preferiu adiar todas alternativas de controle da doença. Realmente, é difícil viver com a psoríase, principalmente no couro cabeludo.

16 comentários:

  1. é uma pena que algumas pessoas desistem de continuar o tratamento e acabam desanimando ,sem o tratamento não chegam ao resultado satisfatório.Se tivesse procurado em primeiro lugar um tricoterapeuta o sofrimento seria bem menor.

    ResponderExcluir
  2. muito importante o resultado e o tratamento. lucélia rocha

    ResponderExcluir
  3. uma pessoa com psoríase tem alto estima baixo e emocional abalado nem sempre tem paciencia de manter um tratamento e as vezes se isolam muito

    ResponderExcluir
  4. Infelismente,as pessoas que tem alto estima baixa,nunca conseguem terminar algo que começaram. E só se tem resultados quando fazemos os tratamentos por completo.Simone Line

    ResponderExcluir
  5. Temos que ter muita paciência para orientar uma pessoa com o emocional abalado a não desistir do tratamento, pois o resultado positivo irá garantir a melhora na auto estima mudando assim seu quadro emocional.

    ResponderExcluir
  6. É um tratamento lento que se faz necessário todo o envolvimento e interesse do tricopaciente. Cris Targino

    ResponderExcluir
  7. É um processo delicado e exige do Profissional muito cautela ao acompanhar o tratamento.
    Adriana Santos

    ResponderExcluir
  8. É preciso cuidados redrobrados para ultrapassar essa patologia.

    ResponderExcluir
  9. E IMPORTANTE QUE O TRICOTERAPEUTA ESTEJA ATENTO A TODAS AS INFORMAÇÕES, E SABER OUVIR

    ResponderExcluir
  10. wania Hosp.cabelo -CAD18 de julho de 2011 22:57

    É importante conhecimento, respeito, empatia,segurança... o profissional precisa ter a confiança do cliente.

    ResponderExcluir
  11. O problema de queda é difícil para os homens, imaginem para as mulheres? Independente dos tratamentos, estes devem ser seguidos de qualquer maneira, exigindo-se muita paciência. Em muitos casos são demorados.

    ResponderExcluir
  12. Como tricoterapeutas temos a obrigação de passarmos todas as informações, procedimentos e evolução do tratamento aos nossos clientes, deixando-os cientes de que o processo é lento. Além disso, devemos lembrá-los que a psoríase é uma doença auto imune e como tal não tem cura, porém dá para espassar e/ou diminuir as crises costumeiras, contibuindo para uma ótima qualidade de vida.

    ResponderExcluir
  13. Um processo cauteloso entre o físico e o emocional.

    ResponderExcluir
  14. O problema é que quando esta paciênte chegou ao tricoterapeuta ela já estava cansada com tratamentos que não deram certos, pelo que pude ver esta paciênte citada já havia procurado outros lugares e não conseguiu ter um resultado satisfatório.
    Por isso é bom divulgar ainda mais a Tricoterapia, neste caso creio eu se a paciênte citada estivesse logo sendo tratada por um profissional em Tricotarapia talves ela estivesse seguido otratamento até o fim.
    O problema é ficar batendo de porta em porta sem resultado nenhum. É isso que desencadeia um stress muito grande chegando ao desespero e finalizando uma depressão.

    ResponderExcluir
  15. Mesmo assim bola p frente, pq é normal q algumas pessoas desistam em meio a depressão...uma situação delicada. O mais importante é q os tricoterapeutas não desistam de estudar e ter conhecimento e ajudar os pacientes!!

    ResponderExcluir